Opala é um nome de origem sânscrita, oriunda da palavra “upala”, que significa pedra preciosa. São necessários milhões de anos para sua formação, derivada de fenômenos geofísicos específicos. Sua versão multicolorida é encontrada somente em dois locais no mundo: na Austrália e na cidade piauiense de Pedro II. Em 2012, o INPI concedeu o certificado de Indicação Geográfica (IG), na categoria Indicação de Procedência (IP), para as opalas preciosas e as joias artesanais produzidas a partir delas, no Piauí.

A opala é conhecida como a pedra da boa fortuna. Ainda assim, é pouco valorizada no País. Estas pedras semipreciosas podem ser encontradas em cores variadas: amarela, branca, verde, azul, marrom, preta, cinza, vermelha e incolor. Logo, por serem multicoloridas, tornam-se mais valiosas. Assim são as gemas encontradas nas minas de Pedro II , cidade a 209 quilômetros de Teresina, no Estado do Piauí.

São pedras que, naturalmente, apresentam um jogo de cores característico, produzido pela interferência e difração da luz, que passa por aberturas regularmente arranjadas, dentro da microestrutura da opala.

A tonalidade corpórea desta pedra varia de tons claros a escuros, de translúcidas a opacas e são de três tipos: pura, boulder e matriz.

Procedência

Registro IG 201014 INPI Indicação de Procedência/2012
Área Geográfica Delimitada: Município de Pedro II – Piauí

Milhões de anos

As condições necessárias para a formação da opala na natureza são extremamente raras. Situamse, geralmente, em terrenos áridos, a profundidades rasas abaixo da superfície, variando de 15 a 40 metros. Depende essencialmente do fenômeno comum de evaporação das águas subterrâneas, contendo soluções silicosas nas cavidades das rochas. Acredita-se que as opalas levaram aproximadamente 60 milhões de anos para se formarem.

O município de Pedro II tem a única reserva de gemas nobres de opala no Brasil, que é a segunda maior do mundo (a primeira está na Austrália, que explorou minas brasileiras na década de 1970). A cidade é responsável por praticamente 100% da produção de joias artesanais de opalas do Piauí, constituindo sua principal atividade econômica.

Joias artesanais

As joias artesanais confeccionadas a partir da gema, permitem a combinação com outros materiais, como o ouro, prata e tucum. Os artesãos desenvolvem designs próprios, criando uma identidade artística e valorização de joias, em forma de colares, pingentes, brincos, anéis etc. As joalherias possuem estruturas pró- prias de lapidação e de fundição, com investimento em maquinário e mão de obra qualificada.

O Festival de Inverno de Pedro II é um dos maiores eventos do Estado, ocasião em que são exibidas e comercializadas as opalas preciosas e as joias artesanais produzidas na região.

Valor agregado

Atualmente, a opala de Pedro II movimenta a economia local e chega a render aos ourives até R$ 70 mil por mês. Entretanto, há quase 30 anos o setor se encontrava desorganizado. Existia a pedra, mas, não havia quem realizasse o trabalho.

A falta de mão de obra especializada estimulou muitas pessoas a procurarem um curso de lapidação promovido pelo governo na época. Em meados de 1992, foi inaugurada a primeira empresa de lapidação de Pedro II e, no ano 2000, implantou-se ali uma área dedicada à joalheria.

Afastadas a desorganização e a mineração desenfreada, a cidade passou a controlar o negócio, criando associações ligadas ao garimpo e à lapidação e estruturando o mercado da pedra. Atualmente, estas empresas são responsáveis pelo beneficiamento de cinco quilos de pedra bruta por mês, que resultam em 30 quilos de joias, já com valor agregado da prata ou do ouro utilizado na confecção das peças.

Arranjo Produtivo

Em 2005, com o auxílio do Sebrae (Serviço de Apoio a Micro e Pequenas Empresas), foi criado no Piauí o Arranjo Produtivo da Opala, para coibir a atividade desordenada da produção e comercialização das pedras na região. A obtenção da Indicação Geográfica(IG) faz parte deste processo.

Desde que o projeto teve início em Pedro II, os números evoluíram bastante. A extração das pedras dobrou e passou de 2,5 quilos por mês para cinco. A produção das joias com a gema em sua composição saltou de 60 para 400 quilos por ano. Já o número de lojas localizadas na própria cidade que vendem as peças subiu de sete para 30.

O Arranjo Produtivo da Opala auxilia também na melhoria da lapidação e ourivesaria, aumentando a produção e agregando valor às joias produzidas na cidade.

Mercado

Cerca de 30% das opalas garimpadas são de alta qualidade e seguem para exportação, movimento que chega a render até R$ 500 mil anuais para lapidários de Pedro II. Os principais compradores são os Estados Unidos e a Alemanha, além de França e Suíça, que também valorizam o produto.

Os 70% restantes ficam na região e são utilizados na produção de joias artesanais, comercializadas no próprio Nordeste e em alguns Estados brasileiros.

Exploração

Segundo estimativas dos garimpeiros, ainda há jazidas inexploradas na localidade. Hoje, existem cerca de 30 minas, a maioria é explorada pelos 180 garimpeiros da Cooperativa de Garimpeiros de Pedro II. Estudos sugerem que apenas 10% da reserva desta pedra preciosa foi explorada. Com a organização do setor, as associações receberam o suporte que faltava para se desenvolverem.

Território

A paisagem árida do interior do Piauí esconde a riqueza que a região oferece. Em Pedro II, no norte do Estado, no entanto, está estampada já no portal da cidade, onde se lê que o lugar é a “Terra da Opala”.

Localizado ao norte do Piauí, Pedro II foi fundado e emancipado por portugueses, em 1854. A área onde ocorre o garimpo está assentada sobre serras, cujas altitudes chegam a atingir até 850 metros. O clima durante o ano todo é frio e seco, com temperatura média de 18° C a 28° C.

A identificação das rochas como opala de alta qualidade deu abertura ao surgimento das primeiras áreas de garimpo e mineração. Em meados da dé- cada de 1960, a empresa de Minérios Brasil começou a explorar a área, chamada Boi Morto, que se tornou a principal jazida da região. Paralelamente, outros garimpos foram desenvolvidos na região.

Na década de 1980, houve um início de esvaziamento, devido à dificuldade de encontrar pedras de qualidade. Acredita-se que este fato ocorreu por causa da redução das reservas naturais. No entanto, estudos mais recentes estimaram uma reserva geológica de 1,2 mil toneladas de opalas brutas em Pedro II.

Movimentação do turismo

Com a união dos garimpeiros, joalheiros e lapidários desta cidade piauiense, aliada à capacitação e à tecnologia na extração e na produção das joias, a opala já responde por um aumento considerável na geração de renda e no fomento ao turismo. A Indicação Geográfica ajudou ainda mais o setor, trazendo um ganho mercadológico que envolveu todos os setores paralelos à atividade turística, movimentando a região como um todo.

Somente em 2010, 13 áreas, inclusive a de Pedro II, fizeram a solicitação. O registro de IG é uma importante ferramenta de marketing e agrega valor. A cidade, com 45 mil habitantes, vive hoje praticamente de três atividades econômicas: turismo, garimpo e o artesanato com as preciosas opalas.

 

Fonte: Revista A Lavoura – Edição nº 712/2016